No domingo passado começamos a considerar sobre as marcas de uma igreja saudável, baseado no livro chamado Nove Marcas de Uma Igreja Saudável, de Mark Dever. Já vimos que uma das marcas de uma igreja saudável é a Pregação Expositiva.

Hoje veremos que uma igreja saudável deve possuir uma Correta Compreensão Bíblica quanto ao Evangelismo. Conforme bem observou o pastor Mark Dever, nós deveríamos estar mais preocupados em conhecer e ensinar o próprio evangelho do que simplesmente tentar ensinar às pessoas métodos e estratégias para compartilhá-lo. Biblicamente, evangelismo é apresentar abertamente as boas novas cofiando em Deus para converter as pessoas (veja Atos 16:14). “Ao SENHOR pertence a salvação” (Jonas 2:9; cf. João 1:12-13). Qualquer tentativa nossa de forçar nascimentos espirituais será tão efetiva quanto Ezequiel tentando costurar os ossos secos, ou Nicodemos tentando dar à luz a si mesmo. E o resultado será semelhante.

Se a conversão for entendida como apenas um compromisso sincero feito uma única vez, então nós devemos conduzir todas as pessoas àquele ponto de confissão verbal e de compromisso por todos os meios que pudermos utilizar. Biblicamente, entretanto, ainda que seja correto importar-se, conclamar, e persuadir, nosso principal dever é ser fiel à obrigação que temos diante de Deus que é de apresentar as mesmas Boas Novas que Ele nos deu.

Assim Deus produzirá conversões a partir da nossa apresentação destas Boas Novas (veja João 1:13; Atos 18:9-10). Se a membresia de uma igreja for visivelmente maior que sua frequência, deve-se perguntar: Esta igreja tem uma compreensão bíblica da conversão? Além disso, deveríamos perguntar que tipo de evangelismo foi praticado que resultou em um número tão grande de pessoas não envolvidas na vida da igreja, e ainda se considerando seriamente a membresia deles como uma boa evidência de salvação? A igreja contestou essa situação de alguma forma, ou pareceu perdoar esta situação através de um conveniente silêncio? Disciplina eclesiástica bíblica faz parte do evangelismo da igreja.

O cumprimento da Grande Comissão por parte da Igreja, registrado em Mateus 28, não começa pelo “Ide, portanto…” (v.19), mas pelo “E, quando viram, o adoraram…” (17). Evangelismo não pode ser um programa de atividade, deve ser um estilo de vida da Igreja através da adoração a Deus. Em primeiro lugar, e acima de tudo, a Igreja deve adorar ao Senhor. Por isso, evangelizar, fazer missões, ou outra ação qualquer, deve ser para a Glória de Deus, fazendo conforme a Sua vontade.

Portanto, outra marca de uma igreja saudável é uma compreensão bíblica do evangelismo. O único verdadeiro crescimento é o crescimento que vem de Deus.

CategoriaArtigos, Pastoral

© 2018 Igreja Presbiteriana de Jundiaí.Feito por: Loro Comunicação

Siga-nos: