Charles H. Spurgeon

Esta foi a oração de Davi: “Também da soberba guarda o teu servo” – Salmos 19.13 – Davi orou assim, ele, o homem segundo o coração de Deus (ver Atos 13.22). Se Davi precisou orar desta maneira, nós, bebês na graça divina, temos de orar muito mais! Era como se Davi estivesse dizendo: “Guarda-me ou correrei apressada e impetuosamente para o precipício do pecado”. Nossa natureza má, à semelhança de um cavalo mal dominado, é tentada a afastar-se rapidamente do caminho.

Que a graça coloque em nós as rédeas, para que não nos precipitemos no engano. Não é agradável imaginar o que os melhores de nós poderíamos fazer, se não houvesse os limites que o Senhor nos outorga em sua providência e em sua graça! Mesmo as pessoas mais santas precisam ser guardadas das mais vis transgressões. O apóstolo advertiu solenemente os santos contra os mais repugnantes pecados. “Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena: prostituição, impureza, paixão lasciva, desejo maligno e a avareza, que é idolatria” (Colossenses 3.5).

Certamente você tropeçará, se deixar de olhar para Aquele que é capaz de guardá-lo de cair no pecado. Se o seu amor é intenso, a sua fé, constante, a sua esperança, brilhante, não diga: “Eu nunca pecarei”; pelo contrário, você deve clamar: “Não nos deixe cair em tentação”. Existe muitas faíscas no coração dos melhores dos homens, faíscas capazes de acender um fogo que arde até ao inferno, a menos que Deus apague as chamas, quando esses homens caírem. Hazael disse: “Que é teu servo, este cão, para fazer tão grandes coisas?” (2 Reis 8.13.) Somos inclinados a fazer esta mesma pergunta cheia de justiça própria. Que a infinita sabedoria nos cure da tolice da autoconfiança.
___________
Texto publicado no boletim da Igreja Presbiteriana de Jundiaí de 16/11/2014.
Escrito por Charles H. Spurgeon, pregador batista reformado do séc. XIX.
Texto extraído do site charleshaddonspurgeon.com

CategoriaArtigos

© 2017 Igreja Presbiteriana de Jundiaí.Feito por: Loro Comunicação

Siga-nos: