Chama-se tecnicamente depressão, mas não se pode definir simplesmente por uma palavra. Você sente-se insensível, embora a sua cabeça doa; vazio, ainda que por dentro existam gritos; fadiga, embora com muitos temores. Coisas que antes eram agradáveis, agora quase não chamam a sua atenção. O seu cérebro sente-se dentro de uma névoa. Você sente-se deprimido. Lembra-se quando você ainda tinha metas?

Coisas que você almejava? Coisas, talvez pequenas, como ir ao cinema na sexta-feira à noite ou um trabalho que você gostaria de realizar. Agora, suas metas são poucas. Conseguir viver o dia parece já ser o suficiente. Você nota como a vida é quando não se tem metas? Todos os dias são iguais. Não existe sensação de antecipação, de satisfação. Cada dia tem uma monotonia medonha e você teme que amanhã seja o mesmo. A monotonia da vida parece que lhe está matando. Dormir? É uma confusão. Você não consegue dormir suficientemente. Você já nem mesmo se lembra da sensação de acordar revigorado.

Na depressão, a nova forma de viver consiste em crer e atuar da forma como Deus afirma em Sua Palavra, em vez de “sentir” o que Ele diz. É viver pela fé. Parafraseando Hebreus 11:1, “a fé é ter a prova das coisas que não sentimos”. Em outras palavras, quando existe um debate entre aquilo que os seus sentimentos dizem e aquilo que dizem as Escrituras, as Escrituras ganham.

Qualquer outro resultado significa que você está, essencialmente, dizendo a Deus que Ele não pode ser confiado. “Deus não está dizendo a verdade. Eu não posso confiar n’Ele. Apenas posso confiar em mim mesmo.” Isto não é, provavelmente, aquilo que você quer dizer. Você poderá querer dizer que não entende o que Deus está fazendo, mas negar que Deus fala a verdade, é, por si só, algo falso. É uma mentira. Não acredite nisso. Deus é a Verdade.

A depressão é difícil de suportar. Ela não vai embora sem luta. Mas existem boas razões para que você se engaje nessa luta. Mudanças são garantidas (Fp 1:6). Você está na presença do “Deus de toda consolação, que nos consola em toda a nossa tribulação” (2 Co 1:3, 4). Você crê nisso? Pense nisto. Quando você considera que o Pai enviou o Seu amado e único filho – para morrer por nós quando ainda éramos Seus inimigos, então não existe razão para pensar que Ele será mesquinho em Seu amor e compaixão agora que O conhecemos como Pai.

No entanto, por vezes, nós temos a nossa própria definição de compaixão. Compaixão pode significar “rapidamente, retirar nossa miséria”. Em vez disso, você deverá crer que o amor de Deus e a Sua compaixão excedem, até mesmo, a nossa própria imaginação, e, muito mais, nossa compreensão. Ele tem sempre algo de bom. Quer banhá-lo com graça e fazer com que você se pareça cada vez mais com Jesus.

(Extraído e adaptado)

CategoryArtigos, Pastoral
Escreve um comentário

*

Your email address will not be published.